Reflexos
Publication annuelle exclusivement en ligne hébergée sur le site des revues électroniques de l’Université Jean Jaurès, la revue Reflexos est un espace d’élaboration commun à distance, ouvert aux études lusophones.

N° 004 - Paris-Lisbonne : un dialogue capital

[Sommaire du numéro]

[Télécharger le PDF]

Barbara Aniello

Do Cubismo órfico ao Orfeu lusitano: os Delaunay em Portugal, entre misticismo e sinestesia

Résumé

A partir da análise comparada entre o Orfismo francês e o Orfeu português, surge um estreito diálogo entre literatura e pintura com referências e assonâncias surpreendentes entre o círculo de Pessoa e o casal Delaunay, refugiados em Portugal na altura da Primeira Guerra Mundial.

Texte intégral

Uma estadia inesperada

1As recíprocas influências entre o Cubismo Órfico, apadrinhado por Apollinaire, e o Modernismo Lusitano, constantemente sedento de exemplos europeus, pertencem ao campo da Estética Comparada, na acepção de Étienne Souriau . As inúmeras consonâncias entre Orphisme francês e Orfeu lusitano, embora até agora inéditas , afloram pontualmente a partir do cotejo entre pintura e literatura.

La plus belle époque de ma vie, les grandes vacances… parce que j’ai pu travailler dans les meilleures conditions qu’un peintre puisse rêver : la luminosité violente de ce pays, l’animation de la rue qui me rappelait la Russie de mon enfance, les fêtes, les marchés, les chants, les danses populaires .

2Assim Sonia Delaunay, depois dos 63 anos, evoca na memória a sua estadia lusa. Em 1914, a guerra surpreende-a com o marido, de tal forma que umas férias de dois meses se tornam um auto-exílio de seis anos. O casal permanece dois anos em Portugal, entre 1915 e 1917, morando em Vila do Conde, Monção e Valença do Minho. Sonia já tinha completado o livro a quatro mãos com o poeta Blaise Cendrars, La prose du Transsibérien et de la Petite Jehanne de France (fig. 1); Robert estava em plena crise criativa, pensando até deixar de pintar, depois de ter descoberto as virtudes da luz simultânea (fig. 2).

Fig 1.

Image 10000000000001C0000002CCC333868F53E6A6AE.jpg

Blaise Cendrars-Sonia Delaunay, La prose du Transsibérien et de la Petite Jehanne de France, 1913.

Fig 2.

Image 100000000000022600000222391F2712AE0E465C.jpg

2. Robert Delaunay, Contrastes Simultanés, 1912, MoMA, New York.

3Portugal torna-se então um desafio para ela e uma terapia para ele, segundo as palavras da mulher: « J’ai senti qu’il avait besoin à la fois de se retrouver seul dans un jardin, avec des couleurs naturelles fortes et pures, et de reformer un petit groupe de travail, de vivre entre peintres ». Consagrados por Apollinaire no templo da Section d’or, que viram os Delaunay na alma lusa? A luz, a música, a dança, como confessa Sonia. Relendo a sua declaração, encontramos um microcosmo sinestético, quase naïf; uma impressão visual (luminosité violente) inflama a faísca da memória (Russie), segue depois uma impressão auditiva (Chants) e a fusão total na dança (Danses populaires). Não é por acaso que, após o parêntese ibérico, Sonia cria os trajes para Djaghilev e os Bailados Russos, tendo já reflectido, desde 1913, sobre a luz em movimento com Tango, Bal Bullier (fig. 3).

Fig 3.

Image 10000000000003A2000000E9A6D0D360DCAFAFFD.jpg 3. Sonia Delaunay, Tango, Le Bal Bullier, 1913, Musée D’Art Moderne de La Ville de Paris, Paris.

4A passagem por Portugal assinala a troca da luz artificial da Ville Lumière pelo sol vivo, deslumbrante do Atlântico: « Dans un soleil éblouissant, les couleurs des châles, les vêtements des femmes, les teints hâlés, des pastèques vertes foncé, le milieu rouge vif s’éteignant dans les roses. J’étais ivre de couleurs et me suis mise à peindre tout de suite ». Surgem pinturas como Fillette Aux Pastèques, 1915 (fig. 4), Grand Flamenco, 1916 (fig. 6), Danseuse, 1916 (fig. 5), onde o simultaneísmo assume as formas da caixa harmónica duma guitarra ou de uma saia de bailarina. No Grand Flamenco, é como se o pizicato invisível da guitarra produzisse vibrações cromáticas ou cromófonas contagiando paredes, mesas ou o ar circundante.

Fig 4.

Image 100000000000026F000001FBDFDD9BF8B7054892.jpg

4. Sonia Delaunay, Fillette Aux Pastèques, 1915, Musée d’Art Moderne de la ville de Paris, Paris.

Fig 5.

Image 10000000000001B50000024AF61C2B6E93200EAF.jpg

5. Sonia Delaunay, Danseuse, 1916, col. priv.

Fig 6.

Image 10000000000002270000029FE7F8DDC14B62E655.jpg

6. Sonia Delaunay, Grand Flamenco, 1916, CAM/Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

5Já em 1912, Robert e o seu amigo russo Alexandre Smirnoff tinham teorizado a sincromia, segundo a qual os raios luminosos são como ondas auditivas em comunicação misteriosa com o mundo inteiro. Em Portugal, todas estas especulações filosóficas e esotéricas renascem como investigação espontânea sobre a cor. Na série dos mercados, por exemplo, Sonia opera uma síntese entre visão, audição, paladar e tacto. Em Marché Au Minho, 1915 (fig. 7), o pitoresco matiza-se na procura dos arquétipos universais da luz.

Fig 7.

Image 100000000000032A000002481CBF710B7E1FB0F6.jpg

7. Sonia Delaunay, Marché Au Minho, 1915, col. priv.

6Metamorfose extrema e fascinante são os autoretratos de 1916 (fig. 8), verdadeiros ritmos puros, nos quais o rosto/não-rosto de Sonia se reflete na paisagem/não-paisagem de Portugal (fig. 9).

Fig 8.

Image 1000000000000336000001A78ED775422588F1E8.jpg

8. Sonia Delaunay, Autoritratti, 1916, col. priv.

Fig 9.

Image 10000000000001ED0000023587147A727E674A69.jpg

9. Sonia Delaunay, Disque, Portugal, 1915, Fundación Mapfre, Madrid.

7Sonia parte do real e chega ao abstracto; Robert percorre a viagem no sentido inverso: do abstracto ao real, como testemunha a sua mulher a propósito de Nature Morte ou Symphonie Colorée, 1915-1916 (fig. 10): « Robert Delaunay a peint ce qu’il y avait dans notre jardin, des plantes grasses. Et puis, il a peint aussi des fichus que je ramenais du marché ». Nas sinfonias botânicas de Robert, a vida rústica da aldeia torna-se objecto da sua pintura. A doméstica da casa assume então o papel de uma verseuse lusa (fig. 11) que, na parte alta da moldura, mostra uma correspondência circular extraordinária entre o mundo vegetal, astral e humano, geometricamente harmonizado com o folclore local. As citações geométricas, o círculo, a oval e a esfera são pre-textos para sugestões herméticas, que remetem para o cósmico, o essencial, o absoluto.

Fig 10.

Image 100000000000032900000238E9AB5E310EAFFA95.jpg

10. Robert Delaunay, Nature Morte ou Symphonie Colorée, 1915-1916, Musée D’art Moderne de La Ville de Paris, Paris.

Fig 11.

Image 10000000000002900000028CC898DE8AF9C29FAD.jpg

11. Robert Delaunay, La Grande Portugaise ou La Verseuse, 1916, Centre Pompidou, Paris.

8Depois das leituras das obras de Chevreul, Robert descobre em Portugal uma luz mais pura, menos brumeuse do que em Paris. Depois das séries sobre as Villes e Tours, regressa à natureza, redescobrindo a cor.

Aussitôt en arrivant, on se sent enveloppé dans une atmosphère de rêve, de lenteur ; les mouvements rythmés et indifférents des boeufs dans les attelages archaïques, avec de grandes cornes, guidés par une toute petite fille enveloppée dans les étoffes multicolores ; d’autres visions sauvages et étranges où les couleurs s’entrechoquent, s’exaltent avec une vitesse vertigineuse. Des contrastes violents de taches colorées, des vêtements de femmes, des châles éclatants avec les verts savoureux et métalliques des pastèques. Des formes, des couleurs, femmes disparaissent dans une montagne de potirons, de légumes, dans des marchés féeriques, au soleil, entrecoupées par une figure haute supportant un vase, pur et irrégulier de forme, comme un vase antique sur la tête. Des costumes populaires, une richesse de couleurs rares. Toutes ces rondeurs éclatantes, brisées par les noirs profonds et les blancs étincelants des costumes masculins qui apportent de la gravité, des angles dans cette mer mouvante de couleurs répandues.

9A cor mexe-se centrifuga e centripetamente, contagiando seres vivos e inanimados: é o Simultaneismo, ou seja, nas palavras de Robert, o seu fundador: « […] des accords fondés sur des contrastes, des dissonances, c’est-à-dire des vibrations rapides qui provoquent une exaltation plus grande de la couleur par le voisinage de certaines couleurs chaudes et froides ».

Começa o reino de Orfeu

10Com o eclodir da guerra, os artistas portugueses residentes em Paris regressam à Pátria. Entre eles, Mário de Sá-Carneiro, Guilherme de Santa-Rita, Eduardo Viana e Amadeo de Souza Cardoso. Quando Amadeo encontra os Delaunay em Vila do Conde, já os conhecia muito bem, depois de os encontrar nos círculos parisienses e nas exposições em Berlim, Monaco, Moscovo, Londres, Estados-Unidos. Viana convida-os para passar o inverno em Portugal. Na mesma altura em que estes artistas regressam à pátria, nasce o orfismo lusitano. Em março de 1915, sai o primeiro número da revista Orpheu e em junho, o segundo. O terceiro, em preparação, nunca viu a luz.

11Em agosto, os Delaunay chegam a Portugal. Enquanto o orphisme francês se fixa no norte do país, o orfismo luso estabelece-se no centro, em Lisboa. Coincidência espiritual? Segundo Ricardo Daunt sim, na minha opinião não. Baptizado por Apollinaire, o cubismo francês não podia ter sido exportado por Amadeo que, fechado no seu atelier em Manhufe, fica altivamente isolado até morrer . Nem Mário de Sá-Carneiro na sua correspondência com Fernando Pessoa consegue transmitir a lição cubista que alternadamente aceita e recusa , embora haja na sua poesia traços de simultaneisme, como por exemplo, em Álcool, 1913:

Corro em volta de mim sem me encontrar...
Tudo oscila e se abate como espuma...
Um disco de ouro surge a voltear...
Fecho os meus olhos com pavor da bruma…

12Sem falar da técnica cubista de Além/Mistério, 1913:

[…] gomos de ar que se entrechocavam e soçobravam em catadupas,
vértices esbatidos de luz, calotes de cor, planos que ora volteavam
ou se detinham, harmonizando-se bizarramente, e eram assim –
como as coisas que sustentavam ou trapassavam – uma beleza
nova, talvez, em todo o caso bem digna de um pintor imortal…

13Em janeiro de 1913, numa carta a Pessoa, Mário de Sá-Carneiro sugere o título de Orfeu em alternativa a Sinfonia em x; noutra carta ao amigo, Pessoa fala na sua obsessão pela Teosofia, na qual, segundo ele, « reside a verdade » . É esta, no meu entender, a resposta à pergunta sobre o paralelo entre Orfisme e Orfismo. Orfeu é o herói que desce ao fundo de si e da terra, em busca de amor. Decapitado, continua a cantar até chegar à ilha de Lesbo. Orfeu é metáfora da gnose, vox media, equilíbrio dos excessos e extremos: mitiga Dionísio e tempera Apolo. O criador do Orphisme, Apollinaire, descreve Orfeu como um precursor de Cristo. Por isso, ilustrando Le Poète Bestiaire ou Le cortège d’Orphée, de Apollinaire (figs. 13 e 14) , Raoul Dufy emoldura-o simbolicamente entre passado e futuro, entre Pirâmides e Tours, enquanto aponta para o alto com o dedo, como Platão.

Fig 12.

Image 10000000000001AA000001FEED6AFB3F60DFD94B.jpg

12. Raoul Dufy, Orphée, Ilustrações para Le Bestiaire, ou Le cortège d’Orphée de Guillaume Apollinaire, 1911.

Fig 13.

Image 10000000000001A8000002099D9BBD36194B16E2.jpg

13. Raoul Dufy, Orphée, Ilustrações para Le Bestiaire, ou Le cortège d’Orphée de Guillaume Apollinaire, 1911.

14Apollinaire traça uma linha de continuidade entre Orfeu e Cristo, com base nas ideias de Schuré, autor de Les Grands Initiés (fig. 15) .

Fig 14.

Image 10000000000001D0000002B101366EC066F8C20C.jpg

14. Capa da primeira edição do livro de Edouard Schuré, Les Grands Initiés, Perrin, Paris, 1889.

15Neste livro, livre de chevet de muitos mas jamais citado, o autor evoca uma série de iniciados, apresentados como centelhas duma única flama divina. Na incisão, no texto e na fonte, Orfeu ocupa o 5° lugar da série: Rama, Krishna, Ermes, Moisés, Orfeu, Pitágoras, Platão, Jesus. Schuré fala na cabeça de Orfeu, comparando-a ao disco solar que, não por acaso, Robert Delaunay pinta desde 1912.

16Orfeu resulta do fenício: Aour = luz; rophae = cura. Por amor, Orfeu desce às trevas e volta à luz. A sua viagem é iniciática, curadora, transformadora . Segundo a teosofia, a cabeça, construída com base nas leis planetárias, é sede do pensamento criativo, da transmissão psíquica e representa, também, um símbolo astral. Daí Robert Delaunay reservar sempre à cabeça um tratamento especial, circundando-a de auras órficas e aludindo, por este meio, à dança dos astros, por vezes ocultada nos jogos linguísticos dos anúncios publicitários da cidade.Para Schuré, como para Blavatsky , descer equivale a subir, Orfeu é como Cristo, desce até à morte e regressa à luz, aceita a humilhação e reconstrói o templo interior.

17Na correspondência com Pessoa, ao lado de uma citação do projecto editorial de um Orfeu-Sinfonia, Mário de Sá-Carneiro cita o verso do amigo Pessoa « Quanto mais desço em mim mais subo em Deus. » Lembro que Pessoa traduziu a obra de Blavatsky e Amadeo, numa das páginas do próprio diário, citando « A vox do silêncio, texto para comprar ». O ideal esotérico é citado explicitamente por Luís de Montalvor , director do primeiro número da revista. É o próprio Montalvor que diz ter intitulado assim a revista, reivindicando a paternidade da definição de Orfeu. Portanto, estes textos esotéricos em circulação são, no meu entender, a ponte para a contemporaneidade das ocorrências de ambos os termos, entre poesia e pintura.

O Orfirmo luso

18O convívio entre portugueses e franceses leva o grupo de artistas a conceber o sonho de fundar umas exposições itinerantes internacionais que percorressem a Europa de Norte a Sul, de Leste a Oeste. Nascem obras como Album N.1 pour La Corporation Nouvelle, Expositions Mouvantes, 1916 (fig. 16 e 28).

Fig 15.

Image 1000000000000393000001333A480B27DED05162.jpg

15. Robert Delaunay, Album N.1 pour La Corporation Nouvelle, Expositions Mouvantes, 1916.

Fig 16.

Image 100000000000025F000001BC8FD9ABCFE909D90B.jpg

16. Amadeo de Souza-Cardoso, Esboço para a Corporation Nouvelle, 1915, CAM/ Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

19A viagem ibérica dos Delaunay marca uma viragem na vanguarda portuguesa. Se a relação de Viana com o casal é de dependência, como demonstram por exemplo os seus Bonecos Portugueses, 1916 (figs. 17 e 18), Amadeo afirma-se, quanto a ele, pela distância.

Fig 17.

Image 10000000000001E50000025F972FE8E6214F696D.jpg

17. Eduardo Viana, Bonecos Portugueses, 1916 e Eduardo Viana, a Revolta, 1916, Museu do Chiado, Lisboa.

Fig 18.

Image 10000000000001D800000241600D34E3BB6F244A.jpg

18. Sonia Delaunay, Poupées Portugaises, 1916, col. priv.

20A linguagem de Sonia é traduzida por Viana em termos dialectais. Como diz José-Augusto França, o disco « cosifica-se » no Homem Das Loiças, 1919 (fig. 19) e Eduardo Lourenço afirma que Viana « converte uma finalidade em puro meio ».

Fig 19.

Image 10000000000001F6000002395EA5E30C93B99E7B.jpg

19. Eduardo Viana, Homem das Loiças, 1919, Museu do Chiado, Lisboa.

21Uma curiosa consonância é a sua Petite (fig. 20). Viana aproxima iconograficamente a citação da obra de Sonia e Cendrars La Prose du transibérien et de la petite Jehanne de France, às revistas Orfeu e K4 quadrado azul, tentando quase sintetizar visualmente orfismos e futurismo.

Fig 20.

Image 10000000000001F00000026589EA934294D1B806.jpg

20. Eduardo Viana, La Petite, 1916, Cam/Centro Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

22Amadeo, pelo contrário, reflete sobre música durante a estadia portuguesa dos Delaunay. A dele é uma música silenciosa, uma musica interrupta, suspensa, muda, alusiva à música das Esferas, como demonstram pinturas cujos títulos remetem para o silêncio: Musica Sorda, 1914-15 (fig. 21); Cavaquinho, 1914-15 (fig. 22).

Fig 21.

Image 10000000000001E5000001E17E306A55DAFD6B47.jpg

21. Amadeo de Souza-Cardoso, Musica Sorda, 1914-15, CAM/Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

Fig 22.

Image 10000000000001EC0000024D8ADFA1DA9172A8AD.jpg

22. Amadeo de Souza-Cardoso, Sem título, 1915-16, CAM/Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

23Lê-se na agenda desses anos: « Muito diz quem não diz tudo. A um ser discreto pertence o tempo que faz-se mudo ». Por isso os seus violinos e guitarras não têm cordas, nem arcos, nem aberturas na caixa harmónica. Também interessado pelo ruído, Amadeo percorre todas as possibilidades sonoras do futurismo, como demonstram obras como Sem Título e Sem Título (Máquina Registradora), 1917 (fig. 23). A lição de Sonia emerge em obras como Canção popular. La russe et le Figaro, 1916, Canção popular e o pássaro do Brasil, 1916 (fig. 24). Estas obras citam a iconografia folclórica e vivamente cromática da artista francesa, embora Amadeo se mantenha fiel a si próprio no estilo e nas soluções pessoais.

Fig 23.

Image 1000000000000189000001E0B6F18748B87D168A.jpg

23. Amadeo de Souza-Cardoso, Sem Título (Máquina Registradora), 1917, CAM/Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

Fig 24.

Image 1000000000000328000001F0B392A6DAAB55D335.jpg

24. Amadeo de Souza-Cardoso, Canção popular. La russe et le Figaro, 1916, Canção popular e o pássaro do Brasil, 1916, Museu Municipal Amadeo de Souza-Cardoso, Amarante.

24Na altura, José de Almada Negreiros ainda desenhava e não pintava, dedicando-se à escrita. Na Mima Fataxa, reflecte sobre « deslocações abstractas do dinamismo interior duma alma » e também fala nos « gestos-cores » de Sonia, chegando em Saltimbancos, contrastes simultâneos a alcançar a técnica do casal e dedicando o seu Manifesto anti-Dantas à sua amiga russa .

25O epílogo do convívio luso-francês deve-se a um curioso acidente diplomático: Sonia é acusada de espionagem. Os seus discos gigantes e multicolores nas paredes da casa rebaptizada Ville Simultanée são interpretados como sinais por submarinos estrangeiros (fig. 25). A exposição itinerante é retardada e o projecto acaba.

Fig 25.

Image 10000000000001A00000023C6EC716BF9CEC46BD.jpg

25. Foto de Sonia em frente da Ville Simultanée em Vila do Conde.

26A última obra portuguesa de Sonia é para a Capela da Misericórdia, em Valença do Minho (fig. 26).

Fig 26.

Image 10000000000003280000014031DE481B08E9CDDB.jpg

26. Sonia Delaunay, La Miséricorde (Apothéose Du Donateur Par Le Peuple Reconnaissant), 1916, col. priv.

27Aqui, o conceito bíblico da misericórdia – miser = homem cor = coração de Deus – surge invertido: não é Deus que desce até ao pecador mas o homem que se ergue até Deus. No mundo ibérico, esta apoteose do pecador é uma revolução: os filhos sobem até ao pai e a misericórdia, ou seja o amor, desce e sobe, tal como Orfeu no seu mito.

28Mais tarde, chamado a decorar Le Palais de l’Air na Expo international de 1937 (fig. 27), Robert conjuga luz absoluta e cor local, passando do figurativo ao abstracto, mas a um abstracto quase táctil – como na Nature Morte Au Tapis Rouge, 1936 (fig. 29) – por causa da argila, areia, madeira que tornam a sua pintura concreta, tangível, matérica. E reiterando este motivo até ao infinito, quase como um monge nas suas repetitivas meditações (fig. 30), mantém na memória a experiência do real e do local português (fig. 31).

Fig 27

Image 100000000000025E000001F0D45C5F85F7E586F5.jpg

27. Robert Delaunay, Pavillon de l’air, Pour L’exposition Internationale de 1937, Centre Pompidou, Paris.

Fig 29.

Image 10000000000001900000026A2CC6F29E8D5FD335.jpg

29. Robert Delaunay. Nature Morte au Tapis Rouge, 1936, Galeria Manuel Barbié, Barcelona.

Fig 30.

Image 10000000000001E2000002114049A065EAC5278B.jpg

30. Robert Delaunay, Rythmes Sans Fin, 1933, Centre Pompidou, Paris.

Fig 31.

Image 10000000000003AA000001BBECE2B7F3B3A28559.jpg

31. Robert Delaunay, La Grande Portugaise ou La Verseuse, 1916, Centre Pompidou, Paris e Robert Delaunay, La Grande Portugaise, 1916, CAM/Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

29Em Voyages Lointains, Sonia funde mercado, fruta, aqueduto, na luz lusa (fig. 32-33-34) . Tudo se resolve em ritmo ascendente, vertiginoso, concêntrico, rutilante.

Fig 32.

Image 100000000000016B000000E8DDD9BD8746A04FA4.jpg

32. Sonia Delaunay, Portugal, esboço, 1936, col. priv.

Fig 33.

Image 100000000000035E0000015B596920182586DE2F.jpg

33. Sonia Delaunay, Étude Pour Voyages Lontains, 1937, Centre Pompidou, Paris.

Fig 34.

Image 10000000000003580000017EA81140CC34F4B032.jpg

34. Sonia Delaunay, Étude Pour Voyages Lontains, 1937, Centre Pompidou, Paris.

30O Orfeu lusitano volta-se para trás. Surpresa, a sua Eurídice não morre, sublima-se na apoteose da pura luz (fig. 35).

Fig 35.

Image 100000000000026D000002176819EA444DC4EB83.jpg

35. Robert Delaunay, Étude Pour Hélice Et Rythme, 1937, Centre Pompidou, Paris.

31Assim, descendo e subindo, pintura, literatura e música dialogam entre sinestesia e misticismo.

Bibliographie

AA.VV., L’utile, il bello, il vero, Il dibattito francese sulla funzione della letteratura tra Otto e Novecento, Pisa, ETS, 2002.

Apollinaire, Guillaume, Les peintres cubistes : médiations esthétiques, Paris, Eugène Figuière, 1913.

—, Chroniques d’Art, 1902-1918, Paris, Gallimard, 1960.

—, Le Bestiaire ou le règne d’Orphée, Paris, ill. Raoul Dufy, 1967.

Blavatsky, Helena Petrovna, A voz do silêncio e outros fragmentos extraídos do Livro dos preceitos áureos, trad. Fernando Pessoa, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1969.

—, « Le origini del rituale nella Chiesa e nella Massoneria », trad. di Marpa, in Lucifer, vol. IV, marzo e maggio 1889. Reproduzido em Blavatsky, Helena Petrovna, Collected Writings, vol XI, Wheaton, Quest Books, 1883-1885.

Damase, Jacques, « Sonia Delaunay : un demi-siècle d’avant-garde », in Connaissance des arts, Paris, Artcurial, 1977.

Daunt, Ricardo, O sentido de Orfeu na história universal: da Grécia à Portugal. http://www.sibila.com.br/index.php/mapa-dalingua/194-o-sentido-de-orfeu-na-historiauniversal- da-grecia-aportugal. Consultado a 6 de março de 2010.

Delaunay, Robert, Du cubisme a l’Art Abstrait, Francastel, Paul ed., Paris, S.E.V.P.E.N, 1957.

Delaunay, Sonia, Nous irons jusqu’au soleil, Paris, Robert Laffont, 1978.

Delville, Jean, Dialogue entre nous, Argumentations kabbalistique, occultiste, idéaliste, Bruges, Imprimerie frères Daveluy, 1895.

Ferreira, Paulo, Amadeo de Souza-Cardoso : le météore portugais 1887-1918, Paris, Centre Culturel Calouste Gulbenkian, 1995.

Ferreira, Paulo (ed.), Veríssimo Serrão, José (intr.), Correspondance de quatre artistes portugais : Almada-Negreiros, José Pacheco, Souza-Cardoso, Eduardo Vianna avec Robert et Sonia Delaunay, Paris, F.C.G., Centre Culturel Portugais, 1972.

França, José-Augusto, O Amadeo de Souza-Cardoso, o português à força; Almada Negreiros, o português sem mestre, Lisboa, Bertrand, 1986.

—, O Eduardo Viana, Lisboa, Artis, 1969.

—, « O significado histórico do Orpheu, 1915-1975: inquérito », in Colóquio/Letras, n° 26, Lisboa, julho 1975.

Lourenço, Eduardo, « Os círculos dos Delaunay ou o estatuto da nossa pintura », in O Espelho Imaginário, Pintura, anti-pintura, não-pintura, Lisboa, Imprensa Nacional Casa da Moeda, 1981, p. 109-155.

Margarido, Alfredo, « A complexa relação de Mário de Sá-Carneiro com o cubismo », in Colóquio/Artes, n° 82, Lisboa, Setembro 1989.

Molder, J.; Freitas, H. De; Alfaro, C.; Miranda, A. T. et al., Amadeo de Souza Cardoso: diálogo de vanguardas avant-garde dialogues, Lisboa, F.C.G., 2006.

Ornellas, Bárbara, « Portugal na vida e na obra de Sonia Delaunay (1915-1916) », in Colóquio/Artes, n° 8, Lisboa, Julho 1972.

Orpheu, revista trimestral de literatura, n° 1, Lisboa, Março 1915.

Pessoa, Fernando, Correspondência, vol. I, 1905-1922, Lisboa, Assírio & Alvim, 1999.

—, Obras, vol. II, Porto, Lello & Irmão, 1986.

Sá-Carneiro, Mário de, Correspondência com Fernando Pessoa, Sobral Cunha T. (org.), São Paulo, Companhia das Letras, 2004.

Schuré, Édouard, Les grands Initiés, Paris, Librairie Académique Perrin, 1960.

Souza Cardoso, Amadeo de, Caderno de notas de Amadeo de Souza Cardoso, Paris, s.d., p. 22, in Espólio Amadeo de Souza-Cardoso, Lisboa, Biblioteca de Arte da F.C.G.

—, Catálogo raisonné, (fotobiografia, pintura), F.C.G., coord. J. Molder, H. de Freitas, C. Alfaro, A. T. Miranda, L. de Oliveira, Lisboa, 2007-2008.

Pour citer ce document

Barbara Aniello, «Do Cubismo órfico ao Orfeu lusitano: os Delaunay em Portugal, entre misticismo e sinestesia», Reflexos [En ligne], N° 004, Paris-Lisbonne : un dialogue capital, mis à jour le : 15/05/2019, URL : http://revues.univ-tlse2.fr/reflexos/index.php?id=557.

Quelques mots à propos de :  Barbara Aniello

Pontificia Università Gregoriana

Docente Incaricato Associato

barbara.aniello@gmail.com