Reflexos
Publication annuelle exclusivement en ligne hébergée sur le site des revues électroniques de l’Université Jean Jaurès, la revue Reflexos est un espace d’élaboration commun à distance, ouvert aux études lusophones.

N° 006

[Sommaire du numéro]

 

Ravena Beatriz DE SOUSA TEIXEIRA

Predicadores de passividade com verbo suporte no português e no espanhol: a diassistematicidade em rede

Résumé

Selon une perspective constructionniste diassystématique de la grammaire, nous proposons, dans cet article, une analyse des attributs structuraux et fonctionnels des prédicateurs composés des verbes, en portugais et en espagnol, en portugais et en espagnol, afin de représenter une scène/événement selon une conceptualisation passive (ayant, respectivement, par exemple, levar um tiro et llevar un disparo - “se prendre une balle”). Sur la base d'une analyse qualitative et quantitative des données de corpus, collectées via la plate-forme Sketch Engine, nous illustrons, à travers un processus d'investigation bottom-up, un réseau de modèles de construction associés à l'utilisation de ces prédicateurs, prédisant l'existence d'une construction plus schématique, de caractère interlinguistique (une diaconstruction), qui autorise l'usage des périphrases dans les deux langues.

Abstract

From a diassystematic constructionist perspective on grammar, we propose, in this article, an analysis of the structural and functional attributes of predicates composed by the support verbs levar and llevar employed, in Portuguese and Spanish, in order to represent a scene/event according to a passive conceptualization (for example, levar um tiro and llevar un disparo respectively). Based on a qualitative and quantitative analysis of data in corpora, collected via the Sketch Engine platform, we will illustrate, using a bottom-up investigative process, the network of constructional patterns associated with the use of these predicates. We will thereby predict the existence of a more schematic construction, of a interlinguistic nature (a diaconstruction), which allows the use of periphrases in both languages.

Resumo

Segundo uma perspectiva construcionista diassistemática da gramática, propomos, neste artigo, uma análise dos atributos estruturais e funcionais de predicadores compostos pelos verbos suporte levar e llevar acionados, no português e no espanhol, a fim de representar uma cena/evento segundo uma conceptualização passiva (tendo, respectivamente, por exemplos, levar um tiro e llevar un disparo). A partir de uma análise qualiquantitativa de dados em corpora, angariados por meio da plataforma Sketch Engine, ilustramos, por processo investigativo botton-up, a rede de padrões construcionais associados ao uso desses predicadores, prevendo a existência de uma construção mais esquemática, de natureza interlinguística (uma diaconstrução), que licencia o emprego das perífrases em ambas as línguas.

Texte intégral

11

1. INTRODUÇÃO

2Trata-se, neste artigo, de construções de predicação compostas por verbo suporte e acionadas, no português e no espanhol, a fim de evidenciar um estado de coisas, uma cena/evento, com o perfilamento desse estado de coisas segundo uma perspectiva de passividade. Considerando a língua como “both a window on cognition and a key to understanding it2 (LANGACKER, 1987), parte-se de uma ótica construcionista diassistemática de modo a detectar como padrões compostos pelos verbo suporte llevar, no espanhol, se configuram, em comparação com expressões compostas por levar no português e, assim, delinear a associação entre ambas às línguas românicas no que tange à presença de construções com verbo suporte em suas respectivas redes de predicação passiva. Encontram-se, a seguir, exemplos de uso das construções sob análise:

(1) Um jovem de 23 anos levou um tiro no pé na madrugada de sábado, dia 5, após um desentendimento quando saía de uma casa noturna em Taboão da Serra. Segundo a vítima, o autor do disparo teria se identificado como policial tático e segurança do estabelecimento.
[Português; vasconoticias.com.br]

(2) También le ha sido amputado el dedo meñique de su mano izquierda, se lo llevó un disparo. Omar se recupera en el hospital en compañía de su padre, que dice que el chico presenta buen ánimo pese a las circunstancias.3
[Espanhol; elpais.com]

(3) Carroceria de caminhão atingiu rede de energia e derrubou o poste. Motorista da caminhonete disse que levou um susto; ele não ficou ferido.
[Português; g1.globo.com]

(4) Costa rica se llevó un susto, pero remontó ante Surinam […] Fue un tanto complicado sobre todo porque Surinam, por conducto de Gleofilo Hasselbaink, anotó el primer gol a los 54', después de unos intensos 45 minutos.4
[Espanhol; oxdeportes.com]

3Como é possível observar, ambas as línguas, o português (PORT) e o espanhol (ESP), contam com padrões análogos para representar uma predicação passiva. Dessa forma, objetivamos, por meio dessa análise, contribuir para a elucidação de lacunas observáveis entre as descrições linguísticas, no que tange: (i) ao tratamento das construções com verbo suporte, tanto no PORT quanto no ESP, (ii) à rede de predicadores de passividade, já que, até o momento, são escassos estudos voltados para o papel dessas construções dentro dessa rede e (iii) à relação interlinguística entre as mencionadas línguas românicas. Dessa forma, tenciona-se colaborar para o desenvolvimento teórico-metodológico do exame da variação e das relações entre línguas, variedades e/ou dialetos dentro da ótica construcionista, segundo uma perspectiva (sócio)construcionista e diassistêmica da gramática.

4Assim, o estudo tem por cerne o mapeamento da pareamento forma-função/significação condizente às configurações dos predicadores complexos aqui previstos e como tais padrões se ligam, considerando-se a potencialidade de similaridade e/ou dissimilaridade entre estes. Temos, então, o seguinte questionamento norteador: tais construções de predicação são licenciadas por um pareamento simbólico mais abstrato que possibilita instanciações tanto no português quanto no espanhol (e possivelmente em outras línguas)?

5Desse modo, conta-se como aporte com a perspectiva defendida por Höder (2012; 2014), que, ao tratar da concepção do conhecimento linguístico, apresenta a possibilidade de dois ou mais sistemas conforme suas semelhanças estruturais e/ou funcionais. Mediante processos de abstração e categorização de itens linguísticos advindos de sistemas distintos, é possível a consolidação e o entrincheiramento cognitivo de uma gramática comum a mais de um idioma. Dentro dessa ótica, delimitamos como diaconstruções pareamentos simbólicos de atributos formais e funcionais que, presentes na interconexão de tais distintos sistemas, abrangem o que há de similar entre os mesmos. Höder et al. (2018) apontam que línguas geneticamente associadas tendem a apresentar maior nível de diassistematicidade. Logo, ao se considerar a relação historicamente estreita entre ambos os idiomas em pauta, prevemos haver um alto grau de inter-relação.

2. ENQUADRAMENTO TEÓRICO

2.1 A gramática segundo uma ótica (sócio)construcionista diassistemática

6Adotando o modelo construcionista da língua, o presente estudo tem, por medular, a noção de construção gramatical, produto conceptual pautado no pareamento de atributos formais prosódicos, fonético-fonológicos, morfossintáticos, sintáticos, lexicais – e funcionais − semânticos, discursivos, pragmáticos, cognitivos e socioculturais – cognitivamente entrincheirados segundo a apreensão de padrões mais ou menos rotineiros detectados na experiência dos usuários da língua nos movimentos de produção, recepção e processamento da linguagem (GOLDBERG, 1995, 2006; LANGACKER, 2008).

7Assim, são unidades que, devido a seu grau de idiossincrasia e/ou frequência de uso, se consolidam na mente dos falantes como agrupamentos de traços de forma, função e noções contextuais específicas por meio de processos cognitivos de domínio geral. Suas características podem ser apreendidas segundo os parâmetros de esquematicidade, produtividade, composicionalidade e contextualidade (TRAUGOTT & TROUSDALE, 2013; GOLDBERG, 2006), considerados para o desenvolvimento da análise em pauta.

8A esquematicidade associa-se ao grau de abstração e/ou especificidade das representações cognitivas que sancionam usos linguísticos. A produtividade corresponde à potencialidade de expressão de uso de uma construção ou de preenchimento de um slot, assim como à capacidade de padrões mais abstratos licenciarem outros menos abstratos. A composicionalidade trata do nível de transparência semântica entre as construções e seus subcomponentes (elementos a preencherem os slots construcionais), assim como do grau de entrincheiramento entre esses subcomponentes. A contextualidade, por sua vez, aborda o impacto de fatores de ordem contextual na configuração do significado das construções.

9Em um escopo representacional, categorizam-se as construções em relação a seu nível de esquematicidade. São determinados como macroconstruções ou esquemas os padrões linguísticos de natureza mais abstrata, com maior número de slots (posições gramaticais) a serem preenchidos; as construções em nível intermediário, com alta potencialidade de preenchimento de slots, mas menor grau de abstração em comparação ao nível da macroconstrução, são chamadas de mesoconstruções ou subsquemas; já os padrões mais substantivos, com baixo grau de abstração, são apreendidos como microconstruções, nas quais há menor (ou nenhuma) possibilidade de preenchimento de slots construcionais. São as microconstruções que sancionam os usos concretos das construções pelos falantes/ouvintes no discurso, denominados, teoricamente, como construtos.

10Assim, visualiza-se a gramática como uma ampla rede, hierarquicamente constituída, de padrões linguísticos desenvolvidos e moldados pela experiência. Logo, a língua, como sistema interativo, constitui-se como um espaço conceptual que envolve tanto estabilidade (relativa) quanto instabilidade (heterogeneidade e dinamicidade).

11Dentro dessa perspectiva, destaca-se, além disso, a potencialidade de se delinear um constructicon multilíngue, a fim de abarcar construções previstas em dois ou mais sistemas linguísticos, como salientado na seção anterior. Höder, Freitas Jr e Soares (2021) ressaltam duas categorias de construções centrais à ótica diassistemática: a idioconstrução e a diaconstrução.

12Enquanto as idioconstruções são específicas a cada língua e/ou dialeto, contando com definições de cunho pragmático particulares a cada sistema, as diaconstruções possuem um caráter mais abstrato. Situam-se como padrões construcionais que abrangem os atributos similares entre os pareamentos pertencentes aos distintos sistemas.

13Assim, somam-se preceitos da Gramática de Construções Baseada no Uso, assim como referenciais associados a uma perspectiva diassistemática da língua, objetiva-se desenvolver um mapeamento dos predicadores de passividade com verbo suporte no PORT e no ESP. A partir de uma análise comparativa de seus aspectos estruturais e funcionais, detectáveis em construtos, busca-se definir o que se mostra específico a cada língua, próprio ao âmbito de suas idioconstruções, e o que é similar entre as mesmas.

2.2 Construções de predicação passiva: expressões com verbo suporte

14A predicação constitui-se como uma acepção primordial ao se tratar da compreensão da língua. Na ótica funcionalista, entende-se a predicação como um fenômeno sintático-semântico no qual o item predicador (seja de natureza verbal ou nominal) delimita o número de argumentos segundo o estado de coisas em jogo (DIK, 1997). Assim, o elemento predicador apresenta-se como nuclear, sendo o responsável pela projeção argumental da estrutura sentencial.

15Na perspectiva construcionista, por sua vez, tanto o predicador quanto a própria estrutura argumental são apreendidos como construções gramaticais – que se compatibilizam no processo de predicação. Logo, conta-se com papéis argumentais, associados à construção argumental, e participantes, demarcados pelo sentido verbal (GOLDBERG, 2006). Os predicadores de passividade, assim, se constituem como uma construção de predicação, na qual se vê a associação de uma determinada estrutura formal a aspectos funcionais específicos, que se vinculam a construções argumentais em sua atualização no discurso em prol da confecção de sentidos.

16No cerne do plano funcional da predicação passiva destaca-se a noção de afetação5. Ciríaco (2021, p. 3) ressalta que, ao se tratar das estruturas passivas prototípicas, a luz de Pinker et al (1987) em sua observação do inglês, “o participante que será mapeado na posição de sujeito pode ser construído cognitivamente como um paciente, seja ele um paciente literal ou uma extensão abstrata do sentido prototípico dessa função semântica”, entendo “que o argumento mapeado na posição de objeto da preposição ‘por’ (ou subentendido) agiu sobre ele”.

17Machado Vieira, Santos e Kropf (2019) e Machado Vieira (2020a), ao se voltarem para a análise de estruturas de predicação passiva no português, delineiam seu papel dentro do rol de construções de desfocalização do elemento força indutora (agente), seja por meio de sua demoção a uma posição sintática menos proeminente (como sintagma preposicionado), seja por meio de sua omissão ou suspensão na sentença.

18Observa-se que, ao se tratar do português brasileiro, muitos estudos têm por interesse os atributos estruturais e semânticos dos predicadores de passividade. Entretanto, são focalizados, em geral, os padrões salientados pela perspectiva tradicional: as perífrases verbais compostas por particípio, comumente denominadas passivas analíticas, e as formadas por partícula –SE, as passivas sintéticas (cf. SARAIVA, 2018; CIRÍACO, 2021; GUIMARÃES e SOUZA, 2016; MACHADO VIEIRA e SARAIVA, 2011; FURTADO DA CUNHA, 2000; dentre outros). É possível, contudo, visualizar, também, na rede de predicadores de passividade, as construções com verbo suporte.

19Atuando em similaridade com as estruturas compostas por particípio, estes predicadores preveem a afetação do elemento nominal em posição de sujeito e propiciam a desfocalização do elemento força indutora da predicação (cf. TEIXEIRA, SANTOS, 2022; SARAIVA et al, 2021), conforme observável nos exemplos6 a seguir.

Image 10000201000005890000026E27B8988B6DBB9934.png

20Em (5), vê-se o uso da perífrase “foi socado”, na qual o verbo SER, em papel auxiliar, se une ao elemento “socar”, em sua forma de particípio, a fim de codificar um evento segundo uma perspectiva passiva. Há a afetação do sujeito “Astro da Marvel”, participante paciente, por um participante de natureza agentiva que se encontra sentencialmente não expresso. No exemplo em (6), o verbo levar, em comparação ao verbo SER no exemplo anterior, atua como em uma função de auxiliaridade, funcionando como verbo suporte. Operando junto a uma estrutura nominal/não verbal, “um soco”, auxilia na marcação de tempo, modo, aspecto, número e pessoa, atribuindo a este papel predicante e, assim, configurando uma unidade de predicação verbal capaz de projetar uma estrutura semântica de participantes num estado de coisas de teor passivo.

21De forma similar, na expressão “se lleva um golpe”, no exemplo (7) a seguir, o verbo llevar se vincula a “un golpe” na composição de uma unidade de predicação passiva.

(7) Brice Samba se lleva un golpe tremendo, se hace un chichón impresionante... y aparece en la segunda mitad con un simple vendaje.7

22Adotando uma perspectiva socioconstrucionista, TEIXEIRA (2020) busca salientar a posição dos padrões constituídos por verbo suporte dentre o plano dos predicadores de passividade. Apresenta uma análise centrada no mapeamento nos atributos de unidades compostas pelos verbos levar, tomar, sofrer, receber e ganhar (levar um tiro, tomar um tiro, sofrer um tiro, receber um tiro, ganhar um tiro). No espanhol, em contrapartida, ainda há uma escassez de descrições voltadas tais tipos de padrões de predicação.

23Dessa forma, este estudo se apresenta como uma resposta há uma necessidade vigente nas descrições da rede de predicadores da língua espanhola, assim como uma janela para as relações diassistemáticas entre ambas as línguas (PORT e ESP), em especial no que tange a esfera das predicações passivas.

3. MATERIAIS E PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS

3.1 Coleta e tratamento dos dados

24Tendo por axioma que o uso se apresenta como locus de apreensão, manutenção e mudança da gramática (BYBEE, 2015), os contextos concretos de interação verbal configuram-se como cerne de nossa análise. Logo, somente a partir da observação de dados reais podemos, de fato, traçar como os predicadores em foco são conceptualmente aprendidos na Gramática do Português e na Gramática do Espanhol.

25Assim, para a composição de nossas amostras, dispomos de auxílio do gerenciador de corpora Sketch Engine8, por meio do acesso a dois corpora:

26(i) Corpus Portuguese WEB 2011(ptTenTen11), para a coletada de dados referentes ao português; e

27(ii) Corpus Spanish WEB 2018 (esTenTen18) para a coleta de dados referentes ao espanhol.

28Inicialmente, acessou-se, a partir do dashboard primário da plataforma, o corpus para análise e a ferramenta de busca Concordance, a fim de se visualizar, por meio de comandos de pesquisa específicos, exemplos de uso das perífrases em contexto.

Imagem 1: processo de seleção do corpus e ferramenta de busca no Sketch Engine.

Image 10000201000003F20000022E4604B3167E3FF20F.png

Fonte: autoral

29Elegeu-se, então, a aba de busca avançada (Advanced) e a opção CQL (Corpus Query Language), de modo a se realizar uma busca por padrões gramaticais complexos conforme critérios pré-estabelecidos.

Imagem 2: Processo empregado na página de busca Concordance.

Image 10000201000004DF000001AD88E3EA70D0D7886B.png

Fonte: autoral

30 A fim de se contemplar distintas possibilidades de realização dos predicadores, sem enviesar as amostras segundo concepções prévias, deu-se, primeiramente, para ambos os corpora, a efetivação de uma busca de caráter exploratório por meio dos comandos:

31[lemma = “levar”] [tag = “D.*”] [tag = “N.*”] Para o português

32[lemma = “llevar”] [tag = “D.*”] [tag = “N.*”] Para o espanhol

33Cada elemento entre colchetes representa um item pertencente ao padrão de busca desejado9:lemma =” possibilita uma busca por ocorrências de todas as flexões do vocábulo entre aspas; “tag =” propicia uma busca por todos os elementos categorizados segundo a etiqueta entre parênteses; “D.*” e “N.*” representam, respectivamente, a categoria dos determinantes e dos substantivos. Dessa forma, em linhas gerais, efetuou-se uma busca por todas as ocorrências dos padrões: [Verbo LEVAR + determinante + substantivo] e [Verbo LLEVAR + determinante + substantivo]10.

34A partir da análise qualitativa dos 10 mil primeiros dados disponibilizados para cada língua, amostra inicial na qual selecionamos possíveis tokens nos quais os elementos verbais levar e llevar atuam como verbo suporte em expressões de predicação passiva, realizou-se uma segunda pesquisa. Nesta, na posição do substantivo, delimitaram-se os lexemas nominais que compõem os dados selecionados na busca exploratória, conforme os comandos a seguir:

35[lemma = “levar”] [tag = “D.*”] [word = “lexema 1 | lexema[n]11”] português

36[lemma = “llevar”] [tag = “D.*”] [word = “lexema 1 | lexema[n]”] espanhol

37 Para cada um dos corpora, consideramos, novamente, os primeiros 10 mil dados, contabilizando, ao geral – em conjunto com os dados angariados na busca exploratória – 40 mil dados amostrais, 20 mil do português e 20 mil do espanhol, que, em seguida, foram submetidos a uma rigorosa análise qualitativa, de modo a descartar: dados duplicados e ocorrências do padrão pesquisado os quais não se configuram como predicadores complexos de passividade.

3.2 Distribuição (quali)quantitativa dos dados e análise colostrucional

38Em relação à metodologia de análise empregada, a primeira etapa foi a observação dos dados conforme os atributos dos elementos que compõem as estruturas complexas de predicação. Buscou-se averiguar o grau de associação sintático-semântica entre os seus subcomponentes e delinear (dis)similaridades entre estes e/ou entre os usos a nível interlinguístico.

39Ademais, em prol da sistematização dos atributos referentes aos itens nominais que se ligam/são atraídos aos verbos suportes, lançou-se mão de uma análise de cunho colostrucional. Consoante Hilpert (2014), contou-se com o software Excel de modo a empregar metodologia de análise colexêmica simples, individualmente, nos constructos oriundos do português e nos advindos do espanhol. Em seguida, por meio de uma análise qualitativa dos resultados, traçamos possíveis alinhamentos entre os usos. Por fim, com base nos resultados obtidos, buscamos representar como (i) os padrões construcionais se engendram na gramática de suas respectivas línguas e (ii) desenhar como tal propicia a apreensão de um link associativo entre estas.

4. RESULTADOS

40Conforme a observação dos dados angariados dos corpora Portuguese WEB e Spanish WEB, contamos com 17.707 dados do uso, 9.718 ocorrências de construções de predicação de passividade com o verbo suporte levar e 7.989 com llevar (cf. Gráfico 1). Dentre os dados do português, visualizamos 8.303 de sua variedade brasileira (PB) e 1.515 da portuguesa (PP).

Gráfico 1: Distribuição das ocorrências oriundas do Português e do Espanhol presentes na amostra.

Image 100000000000055600000300DC8E01518F068EC1.png

Fonte: autoral

Gráfico 2: Distribuição dos dados do Português por variedade.

Image 100002010000027D000002EFF36A911871099302.png

Fonte: autoral

41É importante ressaltar que tal categorização parte de definições prévias fornecidas pela plataforma Sketch Engine e que há uma disparidade ao se tratar da natureza dos textos que compõem o acervo do corpus disponibilizado online. Apenas 24% da amostra é composta por produções textuais associadas à variedade portuguesa. Logo, ao se apresentar a distribuição dos dados, não serão efetuadas distinções relativas à produtividade das ocorrências em relação às duas variedades, e, sim, em termos de idioma “português”, uma categorização ampla, dada a natureza exploratória e inicial da análise.

42Ao se tratar do espanhol, a mesma postura será aplicada. Considerando as particularidades referentes à representação do espanhol (do castellano) no espaço de comunicação internacional, não será ignorada a natureza político-geográfica variável da língua (e as implicações políticas vinculadas à sua abordagem) (cf. LAGARES, 2013), tanto em relação ao contraste de suas distintas variedades na América Latina, como também a estas e a variedade peninsular (europeia). Assim como apontado em relação ao português, a ótica, aqui, adotada tem por foco o exame panorâmico da presença e representação dos predicadores em análise dentro da rede gramatical de ambos os idiomas.

43Dessa forma, apresenta-se um panorama dos atributos associados aos elementos que compõem as expressões de predicação passiva com levar e llevar, a fim de, por meio de sua observação, mapear a configuração (estrutural e funcional) dos predicadores. Em relação a sua disposição geral, vê-se, na delimitação dos construtos, a realização do padrão mais abstrato [LEVAR/LLEVAR[verbo suporte] + Sintagma Nominal[determinante + nome]] predicador complexo de passividade.

44Nos exemplos (8) e (9), podemos observar concretizações do padrão em prol da representação / projeção conceptual de uma estrutura de participantes de organização passiva.

(8) La última aportación de César a la película es justo al final, cuando sale corriendo y se lleva un disparo que acaba definitivamente con él. 12
[Sketch Engine; ESP]

(9) Aun así, mientras las bolsas se llevaban el golpe, otros activos financieros se volvían más atractivos para los inversores.13
[Sketch Engine; ESP]

45No primeiro exemplo, a expressão “se lleva um disparo” materializa-se no discurso em prol da representação de uma conceptualização centrada na experiência/estado de coisas vivido por “César”, que atua, semanticamente, como referente paciente associado à construção verbal. Em (9), “se llevaban um golpe” é utilizado de forma metafórica a fim de indicar o impacto negativo sofrido pelas bolsas de valores.

46No que diz respeito à configuração do item verbal a ocupar o slot de verbo suporte no português, o verbo levar, notamos sua concretização no: presente, pretérito imperfeito, pretérito perfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro do presente e futuro do pretérito do modo indicativo; presente e pretérito perfeito do subjuntivo e nas formas nominais do infinitivo, gerúndio e particípio.

Tabela 1 - Distribuição dos tempos e modos verbais empregados com levar.

Indicativo

Presente

Pretérito imperfeito

Pretérito
perfeito

Pretérito mais-que-perfeito

Futuro do presente

Futuro do pretérito

1198

114

3538

28

16

98

Subjuntivo

Presente

Pretérito perfeito

152

46

Formas nominais

Infinitivo

Gerúndio

Particípio

2570

457

504

Fonte: autoral

47Conforme a tabela 1, observa-se que a maioria das instanciações do predicador complexo com levar apresentaram o verbo suporte no pretérito perfeito e presente do indicativo, assim como na forma nominal do infinitivo. Tendo em vista que o corpus de coleta apresenta em sua formação, segundo suas especificações, textos escritos do âmbito digital, prevê-se que, em sua maior parte, eles possuam um caráter informativo (como notícias de jornais e blogs online), o que justificaria a predominância do pretérito perfeito e do infinitivo dentre os usos.

48Ao se comparar os resultados anteriores com o perfil de uso do verbo llevar nos dados do espanhol expostos na Tabela 2, a seguir, é perceptível a concretização do mesmo padrão configuracional. Há uma predominância da instanciação do verbo suporte no pretérito perfeito e presente do indicativo, e no infinitivo.

Tabela 2 - Distribuição dos tempos e modos verbais empregados com levar.

Indicativo

Presente

Pretérito perfecto

Pretérito imperfecto

Condicional

Futuro

1587

1722

181

87

214

Subjuntivo

Presente

Pretérito imperfecto

507

83

Formas nominais

Infinitivo

Gerúndio

Particípio

2869

457

282

Fonte: autoral

49 Realizou-se, também, um mapeamento dos elementos a preencherem o slot de elemento determinante dos predicadores. Na tabela 3, tem-se a distribuição dos artigos a se associarem aos padrões compostos por levar no português. Já na tabela 4, observam-se aqueles associados aos padrões advindos do espanhol.

Tabela 3 - Distribuição de determinantes empregados nas construções com levar (no português) e llevar (no espanhol).

Determinantes

Ocorrências (Nº)

Determinantes

Ocorrências (Nº)

o

937

un

3044

a

775

la

1463

um

5470

el

1327

uma

2113

una

1265

algum

18

algún

304

alguma

20

ningún

176

aquela

12

otro

57

aquele

12

su

51

cada

9

esta

47

essa

26

tal

37

esse

19

este

32

este

9

ese

29

meu

7

otra

22

minha

2

alguna

22

muita

52

cada

20

muito

2

esa

18

nenhuma

7

ninguna

15

nenhum

57

mucho

12

outra

44

nuestra

10

outro

52

tu

8

pouco

1

nuestro

8

qualquer

5

aquel

4

seu

12

cualquier

3

sua

10

mi

3

tal

4

semejante

3

tanto

9

poco

2

tanta

19

bastante

1

todos

1

aquella

1

vuestra

1

cierto

1

tanta

1

tanto

1

muchos

1

Total

9718

Total

7989

Fonte: autoral

50Em relação ao português, 28 types de determinantes são empregados na configuração dos predicadores complexos. No espanhol, conta-se com 33. Segundo a comparação dos resultados, visualizam-se usos similares entre os distintos padrões.

51Ademais, no que tange a análise dos dados, averiguam-se os itens nominais que atuam em conjunto com os verbos suporte. Os resultados encontram-se sintetizados na tabela a seguir:

Tabela 4 - Distribuição de itens nominais empregados nas construções com levar e llevar.

LEVAR (português)

LLEVAR (espanhol)

(Co)lexemas

Ocorrências (tokens)

(Co)lexemas

Ocorrências (tokens)

1

atraso

23

1

abrazo

67

2

baile

117

2

alerta

15

3

boicote

1

3

aplauso

208

4

bolada

136

4

azotaina

1

5

bronca

219

5

bache

1

6

cabeçada

35

6

beso

85

7

caneta

34

7

bofetada

79

8

capote

14

8

caída

123

9

cartão

561

9

carrete

54

10

cascudo

4

10

chichón

2

11

chapéu

66

11

corte

316

12

choque

364

12

daño

39

13

chute

111

13

derrota

209

14

coice

43

14

disparo

34

15

coronhada

26

15

énfasis

11

16

corretivo

8

16

falta

114

17

corte

102

17

gancho

88

18

cotovelada

49

18

goleada

92

19

crítica

56

19

golpe

807

20

cruzado

4

20

grito

46

21

derrota

53

21

multa

130

22

descarga

17

22

patada

92

23

disparo

7

23

pelota

719

24

drible

31

24

pérdida

103

25

empate

92

25

pie

409

26

facada

119

26

puñalada

22

27

falta

59

27

puñetazo

76

28

fora

263

28

regate

2

29

fratura

5

29

susto

2836

30

gancho

18

30

tarjeta

1202

31

garrafada

11

31

zapatazo

5

32

gelo

8

32

zurriagazo

2

33

gol

506

34

goleada

147

35

golpe

138

36

guilhotina

2

37

joelhada

12

38

knockdown

2

39

lesão

26

40

lição

99

41

marretada

3

42

mordida

64

43

multa

282

44

nocaute

14

45

pancada

295

46

paulada

53

47

180

48

pena

30

49

pênalti

5

50

pontapé

125

51

ponto

112

52

pressão

24

53

punição

39

54

puxão

112

55

queda

138

56

rasteira

77

57

soco

241

58

solada

3

59

sova

112

60

surra

554

61

suspensão

52

62

susto

1446

63

tiro

1687

64

tombo

342

65

trauma

6

66

vitória

158

Total

9.718

7989

52Conforme a distribuição expressa, é possível observar, na amostra, a compatibilização do verbo levar com 66 lexemas nominais distintos (que, em uma perspectiva esquemática, se correlaciona à frequência type do padrão de predicação, culminando em 66 microconstruções em corpus) – indicando uma alta produtividade em comparação aos dados oriundos do espanhol. Com o verbo llevar, por sua vez, são visualizados 32 types.

53 Nessa perspectiva, o padrão de predicação com levar, no português, mostra-se mais flexível, permitindo maior extensão de uso, um fator que oferece indícios acerca dos estatutos dos verbos levar e llevar como verbo suporte em suas respectivas línguas de referência. Ambos apresentam, devido ao seu uso rotineiro, significativo esvaziamento semântico, licenciando constructos com valores metafóricos, distanciando-se, em diferentes graus, de sua noção básica de transferência. Entretanto, ao se analisar a produtividade das construções com llevar em relação ao slot do item nominal, estas apresentam maiores limitações associadas ao número de elementos a serem acionados para o preenchimento da posição. Examinam-se, a título de exemplificação, os excertos que seguem:

(10) [...] se alguém ofendesse um gótico de Almada ou, por exemplo, lhe desse um encontrão e não pedisse desculpa automaticamente levava uma cabeçada.
[Sketch Engine; PORT]

(11) Treinador assume que o time levou um baile no primeiro tempo e lembra que talvez não merecesse a vitória: “Mas também já perdemos de forma injusta”.
[Sketch Engine; PORT]

(12) [...] furam os pneus e atrasa a viagem. Quando ele arruma os pneus, acaba a gasolina. Ele chega na casa de noite, aí leva uma bronca [...].
[Sketch Engine; PORT]

54Em (10), “levava uma cabeçada” evoca um evento de ordem mais concreta, de natureza física. É possível visualizar, por meio da representação conceptual da ação descrita, uma transferência de “forças” entre os participantes: alguém (participante agentivo) causa, através de movimento físico, uma mudança de estado em outro (participante paciente / sujeito gramatical). Já nos exemplos em 11 e 12, por mais que ainda existam resquícios da noção de “transferência”, vemos uma extensão semântica ao observarmos os frames projetados pelos predicadores em destaque. “Levar um baile” faz referência ao estado de perda do time durante a partida, na qual é superado drasticamente pelo adversário. “Levar uma bronca”, por sua vez, indica uma ação de ordem comunicativa/verbal, em que um participante é repreendido por outro. Dessa forma, cada um dos lexemas nominais (cabeçada, baile, bronca) faz emergir, com o auxílio do verbo suporte “levar”, uma específica conceptualização. E o mesmo pode ser percebido em constructos com llevar.

(13) Y otra más, si vas a disparar a un grupo, el primero que se lleva el disparo es un personaje jugador, en lugar de un zombie.14
[Sketch Engine; ESP]

(14) [...] por la mala hostia de su marido – con perdón– y la vidente, predecesora de Sandro Rey, le dice a la consultante que si se lleva alguna bofetada de vez en cuando, será quizás porque no recibe a su esposo con una copita de coñac, como Dios manda […].15
[Sketch Engine; ESP]

(15) Trabajo en esto, asi que quien me lo discuta se lleva un grito […].16
[Sketch Engine; ESP]

55 Os excertos em 13 e 14, similarmente ao exemplo 10, referenciam um estado de coisas mais concreto, associado a um frame de agressão física. E “lleva um grito”, em 15, associa-se a um de (agressão por) comunicação.

56 Dessa forma, com base em Stefanowitsch (2003), a fim de se detectar as tendências configuracionais das construções de predicação passiva com os verbos levar e llevar, elaborou-se uma análise colostrucional focada no slot do sintagma nominal (para maiores elucidações metodológicas, cf. MACHADO VIEIRA et al, 2022). Volta-se para a relação entre (co)lexemas e construção gramatical, de modo a detectarmos as nuances funcionais atreladas ao perfil construcional dos predicadores. Na tabela 5, abaixo, encontram-se expostos os resultados referentes aos padrões do espanhol formados por llevar.

Tabela 5 – Resultados da análise colexêmica simples17 dos (co)lexemas a preencherem o slot de elemento nominal nos predicadores compostos pelo verbo LLEVAR.

Image 1000020100000557000001858FC887883BC340FF.png

Fonte: autoral

57Acima, nota-se os 10 primeiros resultados mais relevantes associados à análise. Na primeira coluna, tem-se o item lexical a ser considerado. Nas segunda e terceira, há, respectivamente, a frequência de ocorrência do item na construção (cf. tabela 5) e a frequência geral do item no corpus. Em seguida, são dispostos a frequência da construção sob estudo no corpus e o número de construções18 presentes neste. A partir destes valores, determinou-se a frequência esperada do item na construção (coluna 6), se este é ou não atraído para o slot construcional (coluna 7) e o grau de associação entre lexema e slot (coluna 8) em termos da medida de Log Likelihood.

58Como se pode observar, estão dispostos, nas três primeiras colocações, com maior grau de atração, os termos susto, tarjeta e golpe. Visíveis nos excertos (16), (17) e (18), o uso dos lexemas remetem a contextos semânticos diferenciados. “Susto” é empregado para indicar uma experiência primordialmente psicoemocional negativa. “Tarjeta” relaciona-se, em seus constructos em corpus, ao domínio do futebol, representando uma penalidade associada ao esporte. “Golpe” ressalta um impacto (físico e/ou abstrato) negativo. Dessa forma, detecta-se uma tendência nos usos: uma alta associação do slot construção a lexemas que evocam experiências de cunho negativo.

(16) Vestapor vuelve con Fausta, que también se lleva un susto de muerte al ver a su amante vivito y coleando.
[Sketch Engine; ESP]

(17) La pena máxima viene consecuencia de una falta dudosa a Raúl García por un presunto agarrón de Alexis, que se ha llevado la tarjeta amarilla, al igual que Munir tras anotar Aduriz.
[Sketch Engine; ESP]

(18) Se trata de un concurso japonés de piedra, papel o tijera con la peculiaridad que el que pierde se lleva un golpe en la cabeza con un periódico.
[Sketch Engine; ESP]

59Ao se tratar dos resultados dos usos do português, veem-se padrões associativos similares. Na tabela 6, a seguir, há a exposição dos dados.

Tabela 6 – Resultados da análise colexêmica simples dos (co)lexemas a preencher o slot de elemento nominal nos predicadores compostos pelo verbo LEVAR.

Image 100002010000054A00000233D77D793D9A0431C5.png

Fonte: autoral

60 Os lexemas tiro, susto e surra encontram-se nas três primeiras colocações em termos de grau de atração, convergindo com os resultados do espanhol. Curiosamente, cartão, que possui valor similar à tarjeta, está na quarta posição, ressaltando o alinhamento entre os usos de ambas as línguas românicas em jogo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS: POR UMA PERSPECTIVA DIASSISTEMÁTICA DA GRAMÁTICA

61 Os resultados abrem caminhos relativos para o desenho da diassistematicidade segundo uma ótica (socio)construcionista. Ao se conceptualizar associações cognitivas entre (sub)sistemas, fornecem-se subsídios para o mapeamento de novos traços da gramática e das operações cognitivas engendradas em sua configuração.

62 A partir da observação dos dados em foco, é possível projetar a existência de uma diaconstrução que licencia realizações inerentes não só ao português ou ao espanhol, como também a outras línguas (como avoir peur, no francês, e get shot, no inglês). No Diagrama 1, prevê-se tal realidade.

Diagrama 1: Representação da rede diassistemática dos predicadores de passividade com verbo suporte do português e do espanhol.

Image 100002010000054C000003BE3B48E5AE46E1C50E.png

63Mobilizam-se, ademais, questionamentos teórico-metodológicos como: (i) que outros perfis construções de predicação passiva, compostos por verbo suporte, para além dos verbos levar e llevar, apresentam alinhamentos funcionais semelhantes ao delineados? (ii) se há, qual o grau de (des)semelhança entre elas? (iii) quais procedimentos de análise propiciam uma melhor visualização da diassistematicidade em rede? Dessa forma, os resultados ressaltam o potencial comparativo entre predicadores de passividade com verbo suporte no Português e no Espanhol.

64Em suma, o projeto aqui exposto surge como uma resposta ao crescente interesse em abordar áreas ainda em desenvolvimento no âmbito dos estudos linguísticos, (i) a rede (a) de predicadores compostos por verbo suporte e a (b) de predicadores de passividade, (ii) o lugar da perspectiva construcionista da gramática no que tange à interrelação entre línguas e como tal afeta o conhecimento linguístico subjacente. Tem-se por foco a análise dos pareamentos forma-função visíveis na configuração de perífrases de passividade empregadas no Português e Espanhol constituídas, respectivamente, pelos verbos suporte LEVAR e LLEVAR. Dessa forma, prevê-se a disponibilização de um caminho que possibilitará um desenvolvimento no campo das análises linguísticas – a fim de enriquecer tanto o plano acadêmico científico, quanto o domínio de ensino das línguas (seja como língua materna ou língua estrangeira).

Bibliographie

BYBEE, J. Language Change. Cambridge Textbooks in Linguistics. Cambridge: Cambridge University Press, 2015.

CAPPELLE, B. Can we factor out free choice? In: Andreas DUFTER, Jürg FLEISCHER and Guido SEILER (eds.), Describing and Modeling Variation in Grammar. (Trends in Linguistics: Studies and Monographs). Berlin / New York: Mouton de Gruyter, 2009,. (p. 183-201.)

CAPPELLE, B. Particle placement and the case for allostructions”. Constructions, Special Volume 1, 1–28, 2006.

CIRÍACO, L.S. O papel de fatores funcionais na compatibilização semântica entre verbo e construção de estrutura argumental passiva em português brasileiro. Caderno de Estudos Linguísticos, Campinas, v.63, p. 1-13, e021022, 2021.

DIESSEL, H. Usage-based construction grammar. In: DABROWSKA, E.; DIVJAK, D. (Ed.). Handbook of Cognitive Linguistics. Berlin: Mouton de Gruyter, 2015.

DIK, S. C. Theory of Functional Grammar. Editado por Kees Hengeveld. Berlin: Mouton de Gruyter, 1997.

FURTADO DA CUNHA, M. A. A complexidade da passiva e as implicações pedagógicas do seu uso. Linguagem & Ensino, vol.3, n.1, p.107-116, 2000.

GOLDBERG, A. Compositionality. In: N. RIEMER (ed.) Semantics Handbook. Route ledge. 2016.

GOLDBERG, A. Constructions at work: the nature of generalization in language. Oxford: Oxford University Press, 2006.

GOLDBERG, A. Constructions: a construction grammar approach to argument structure. Chicago: Chicago University Press, 1995.

GUIMARÃES, M.P; SOUZA, R.A. Divergências entre a construção passiva no português brasileiro e no inglês: evidências de corpus oral. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 20, n. 38, p. 262-286, 1º sem. 2016.

HILPERT, M. Construction Grammar and its Application to English. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2014.

HÖDER, S. Constructing diasystems: Grammatical organisation in bilingual groups. The sociolinguistics of grammar. Benjamins: Tor A. Åfarli; Brit Mæhlum, p. 137-152, 2014.

HÖDER, S. Grammar is community-specific: Background and basic concepts of Diasystematic Construction Grammar. In:   BOAS, H. C.; HÖDER, S. (eds.), Constructions in contact. Constructional perspectives on contact phenomena in Germanic languages (Constructional Approaches to Language 24), 37–70. Amsterdam/Philadelphia: Benjamins, 2018. 

HÖDER, S. Multilingual constructions: a diasystematic approach to common structures. Multilingual individuals and multilingual societies. Benjamins: Kurt Braunmüller, Chistoph Gabriel, p. 241-257, 2012.

HÖDER, Steffen; FREITAS JR, Roberto de; SOARES, Lia Abrantes Antunes; NASCIMENTO, João Paulo da Silva. Multilinguismo e Gramática de Construções Diassistêmica, entrevista com o Professor Doutor Steffen Höder. Diadorim, Rio de Janeiro, vol. 23, n. 1, pág. 34-43, jan.-jun, 2021.

LAGARES, X. C. O espaço político da língua espanhola no mundo. Trabalho de linguística aplicada. V. 52 (2); Dez 2013. https://doi.org/10.1590/S0103-18132013000200009

LANGACKER, R. W. 2008. Cognitive Grammar: A Basic Introduction. New York: Oxford University Press.

MACHADO VIEIRA, M. dos S. Predicação verbal e impersonalização discursiva: gradiência e alternância na Gramática de Construções do Português. Estudos da Língua(gem), Vitória da Conquista, v. 18, n. 1, p. 65-84, 2020a.

MACHADO VIEIRA, M. dos S. Variação construcional em perspectiva: predicação verbal. Pensares em Revista, São Gonçalo-RJ, n. 19, p. 30-55, 2020b.

MACHADO VIEIRA, M. dos S.; SANTOS, J. L.; KROPF, M. P. A. Variação construcional por analogia: padrões construcionais de predicação na voz passiva. Revista Soletras, n. 37, p. 154-178, 2019.

MACHADO VIEIRA, M.S.; SARAIVA, E. S. A concordância de número em estruturas passivas pronominais no Português Brasileiro. In: XVI Congresso Internacional da ALFAL, 2011, Alcalá de Henares. Documentos para el XVI Congreso Internacional de la ALFAL. Alcalá de Henares: UAH, 2011.

MACHADO VIEIRA, M.S; COSTA, M.G; TEIXEIRA; R.B.S; TRAVASSOS, P.F; POPPOLINO, P; LIMA, L. Os primeiros passos em análise colostrucional: pesquisas de predicação para ilustrar um fazer. In: Predicar: uma rede de perspectivas metodológicas. São Paulo: Blucher, 2022.

PEREK, F. Alternations as units of linguistic knowledge. In:_____. Argument Structure in Usage-Based Construction Grammar. Experimental and Corpus-based perspectives. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing Company, 2015, Cap. 6.

SARAIVA, E. S. Ensino de construções passivas analíticas e sintéticas em materiais didáticos e paradidáticos. Vocábulo, v. XIV, p. 1-15, 2018.

SARAIVA, E. S.; TEIXEIRA, R. B. S.; SANTOS, D. N.; MACHADO VIEIRA, M. S. “Por que nem sempre fica claro quem é o responsável pela ação?”. In: Revista Roseta, vol. 4, n. 1, 2021.

STEFANOWITSCH, A.; GRIES, S. T. Collostructions: investigating the interaction of words and constructions. International Journal of Corpus Linguistics, 8:2, p. 209-243, 2003.

TAVARES, M. A. & GORSKI, E. M. Variação e sociofuncionalismo. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (Org.) São Paulo: Contexto, 2015.

TEIXEIRA, R. B. de S. Estruturas com verbo (semi)suporte: a variação sob um prisma construcionista. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Letras, 2021.

TEIXEIRA, R.B.S; SANTOS, D.N. Predicadores complexos de passividade: é hora de serem destacados/levarem destaque nas aulas de português. In: Ensino de Português: Predicar em (Com)texto. São Paulo: Blucher, 2022.

TRAUGOTT, E. C.; TROUSDALE, G. Constructionalization and Constructional Cchanges. Great Britain: Oxford University Press, 2013.

WEINREICH, U.; LABOV, W.; HERZOG, M. I. (1968). Fundamentos empíricos para uma teoria da mudança linguística. Tradução Marcos Bagno; revisão técnica Carlos Alberto Faraco; posfácio Maria da Conceição A. de Paiva, Maria Eugênia Lammoglia Duarte. – São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

WIEDEMER, M. L.; MACHADO VIEIRA, M. S. Sociolinguística Variacionista e Gramática de Construções: os desafios e as perspectivas de compatibilização. In: MACHADO VIEIRA, M. S; WIEDEMER, M. L. (orgs.); Dimensões e experiências em Sociolinguística. – São Paulo: Blucher, 2019.

Notes de fin numériques :

1 Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas da Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGLEV – UFRJ). E-mail: ravena_beatriz@letras.ufrj.br

2 “uma janela para a cognição e uma chave para entendê-la.” (tradução nossa)

3 Também foi amputado o dedo mindinho da sua mão esquerda, levou um tiro. Omar está se recuperando no hospital em companhia do pai, que diz que o menino está de bom humor, apesar das circunstâncias. (tradução nossa)

4 A Costa Rica levou um susto, mas saiu de trás do Suriname [...] Foi meio complicado, até porque o Suriname, por intermédio de Gleófilo Hasselbaink, fez o primeiro gol aos 54', após 45 minutos intensos. (tradução nossa)

5 Entende-se, neste caso, a afetação em seu sentido geral, como uma característica pertinente ao participante no qual é possível detectar uma mudança em decorrência de uma força externa.

6 Disponíveis em: https://observatoriodocinema.uol.com.br/filmes/astro-da-marvel-foi-socado-100-vezes-durante-filmagens-de-creed-3. Acesso em: 07/12/2022.

7 Brice Samba leva golpe tremendo, tem um galo impressionante... e aparece no segundo tempo com um simples curativo (tradução nossa). Disponível em: https://twitter.com/dazn_es/status/1484885926153273344. Acesso em: 07/12/2022.

8 Disponível em: https://www.sketchengine.eu/

9 Prevê-se, em ambas as línguas em foco, diferentes padrões de realização de predicadores complexos de passividade com os verbos suporte levar e llevar (com elementos modificadores intervenientes, por exemplo). Entretanto, para os fins exploratórios da análise realizada, consideramos apenas ocorrências nas quais o verbo suporte seja seguido, especificamente, de elemento determinante e item nominal substantivo de caráter predicante.

10 Ressalta-se que os padrões descritos referem-se apenas a um padrão de ordem gramatical. Dentre as ocorrências obtidas por meio da busca, deparamo-nos com expressões de natureza diversa. como: “levar a bola”, associado à construção [verbo + artigo + objeto verbal] e [levar um soco], o qual configura-se como predicador complexo de passividade com verbo suporte.

11 Dado o alto número de lexemas considerados no momento de busca, a expressão “lexema 1 | lexema[n]” é apenas representativa, a fim de explicitar as características estruturais do comando.

12 A última contribuição de César para o filme está logo no final, quando ele sai correndo e leva um tiro que o mata definitivamente. (tradução nossa)

13 Mesmo assim, enquanto as bolsas de valores levavam um golpe, outros ativos financeiros tornaram-se mais atraentes para os investidores. (tradução nossa)

14 E outra, se você vai atirar em um grupo, o primeiro que leva um tiro é um personagem do jogador, ao invés de um zumbi. (tradução nossa)

15 [...] para o mau humor de seu marido – com licença – e a vidente, antecessora de Sandro Rey, diz à consultora que se ela leva uma bofetada de vez em quando, talvez seja porque ela não recebe seu marido com um copo de conhaque, como Deus manda [...]. (tradução nossa)

16 Eu trabalho nisso, então quem brigar comigo leva um grito[...].

17 A análise colexêmica simples busca, conforme Stefanowitsch (2003), estabelecer o grau de atração/repulsa entre lexemas e um dos slots de uma construção gramatical.

18 Como apontado anteriormente, a noção de construção abarca todos os elementos presentes no conhecimento linguístico. Desta forma, para fins metodológicos, elegemos o número de palavras na amostra como nosso referencial para número de “construções”.

Pour citer ce document

Ravena Beatriz DE SOUSA TEIXEIRA, «Predicadores de passividade com verbo suporte no português e no espanhol: a diassistematicidade em rede», Reflexos [En ligne], N° 006, mis à jour le : 14/01/2023, URL : https://revues.univ-tlse2.fr:443/reflexos/index.php?id=962.

Quelques mots à propos de :  Ravena Beatriz DE SOUSA TEIXEIRA

Universidade Federal do Rio de Janeiro